Pais e filhos unem experiências e trabalham juntos na Contabilidade

Por Daniel Bruce
Estagiário sob supervisão da Comunicação do CFC

 

Neste domingo (12), o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) comemora com o País e com toda a classe contábil um dia muito especial, o Dia dos Pais. Um dia para estar com a família, relembrar bons momentos e agradecer a eles, que inspiram tantos filhos em todo o mundo.

Na Contabilidade não poderia ser diferente. Pais de diversos lugares se tornam inspirações para seus filhos e o sucesso, como profissionais da Contabilidade, aguça ainda mais a admiração dos filhos pela profissão escolhida pelos pais.

Em 2018, o CFC homenageia esses homens por seu cuidado e dedicação à família, ao trabalho, e ao carinho com o qual expressam um dos melhores sentimentos que existe, a paternidade.

Exemplos dessa admiração podem ser destacados dentro do Sistema CFC/CRCs. Um deles é o contador Pedro Coelho Neto (73), que antes mesmo de terminar o curso de Ciências Contábeis, já atuava como mecanógrafo na área há mais de seis anos. Segundo ele, a Contabilidade esteve presente em sua vida desde muito cedo, pois seu avô foi guarda livros e seu pai atuou como auxiliar de contabilidade.

Questionado se incentivou seus filhos a seguirem carreira na Contabilidade, Pedro Coelho Neto afirma que não. “A Cassandra, a primogênita, seria fonoaudióloga, porém, optou por ser missionária do Shalon (Comunidade Católica Carismática). O Cassius e o Tércius optaram por Ciências Contábeis, creio que pelo fato de, nas férias, vivenciarem o ambiente da nossa empresa.” E ele ainda completa: “O Cassius teve uma bela passagem pela política classista e foi sócio da nossa empresa, mas decidiu, de livre e espontânea vontade, empreender em panificação. O Tércius não aguentou trabalhar parado em um lugar e optou por um uma empresa de inventários de estoques.”

 

Entretanto, sua filha mais nova, Camila, teve sua primeira formação acadêmica em outra área, mas acabou seguindo os passos do pai. “A Camila, a mais nova, formada em Psicologia, a principio atuando na área de recursos humanos da nossa empresa, resolveu fazer Ciências Contábeis para conhecer melhor a nossa atividade e, assim, assumiu a direção da empresa. O importante nisso tudo é que sejam felizes,” afirma Pedro.

Contudo, atividades em família geram desafios diários. Para Pedro, “é um tanto quanto complexo o trabalho em família, pois envolve sentimentos que extrapolam as relações trabalhistas. O ideal é que desde cedo os filhos se preparassem para assumir a empresa da família, mas, no caso das empresas de Contabilidade, o conhecimento técnico exige muita dedicação e gostar de viver em um ambiente de alto risco, pois é assim que se convive no emaranhado tributário do nosso País. Difícil mesmo é os filhos se sentirem donos do negócio e dividirem as responsabilidades com os pais. Quando o líder é chamado prematuramente para o oriente eterno, por força das circunstâncias, os filhos costumam assumir a empresa de forma mais definitiva. Entretanto, no nosso caso, cada um teve a liberdade de escolher seu caminho.”

 

José Chapina e Márcia Alcazar

Nessa perspectiva, para a também contadora e presidente do CRCSP, Márcia Ruiz Alcazar (46), o desejo em trabalhar com Contabilidade veio da inspiração que teve em seus pais, que, ainda jovens, decidiram empreender e fundar uma organização contábil. “Para mim, a escolha pela Contabilidade foi bem natural, pois tive toda inspiração dentro da minha própria casa. Na minha família, a paixão pela Contabilidade está em nosso DNA. Nossa maior realização é ajudar empresas para que prosperem com segurança. Todo empreendedor tem grande apetite para riscos e negócios, mas muitas vezes esquece que a organização é o segredo para o progresso. O maior patrimônio de um empresário é a empresa e nós cuidamos para que os riscos fiscais sejam reduzidos e que o dia a dia seja muito mais fácil e organizado,” declara Márcia.

Ao relatar como é trabalhar com seu pai, José Maria Chapina Alcazar (69), Márcia lembra com carinho dos momentos de sua adolescência em que pode passar nas dependências da empresa fundada por ele. Ela diz que, quando adolescente, amava passar as tardes na empresa de seu pai. Saía do colégio e ia fazer o dever da escola na empresa. A curiosidade em aprender coisas novas sempre a instigou e quando surgiu uma oportunidade de trabalhar no Centro de Processamento de Dados (CDP), não pensou duas vezes. “Me candidatei porque tinha feito, nas férias escolares, um curso de datilografia e sabia que dominava a habilidade de digitar com rapidez e sem olhar no teclado. Fiz o teste e passei, iniciando assim uma jornada de vida que me faz feliz até hoje.”

Hoje, prestes a completar 47 anos, Elizangela de Paula Kuhn, contadora e vice-presidente de Fiscalização, Ética e Disciplina do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná (CRCPR), lembra que há quase 48 anos, seu pai, Derseu de Paula (72), fundou seu escritório contábil e, desde então, o seu contato com a Contabilidade se manteve constante. Para ela, seu pai sempre foi uma inspiração. “Ele sempre nos mostrou o que a Contabilidade pode fazer pelas pessoas e pelos negócios. Sempre nos mostrou o que o conhecimento pelas Ciências Contábeis pode nos oferecer. O quanto podemos colaborar com os negócios e com as pessoas, enfim, com a sociedade”. Elizangela também lembra que admirava o pai atendendo as pessoas e tendo respostas e soluções para as questões apresentadas e considera a Contabilidade imprescindível ao desenvolvimento da comunidade.

Para ela, trabalhar com o pai, “é uma troca diária de aprendizado, motivação e inspiração. Por vezes, algumas discussões mais acaloradas, mas, não menos importantes, trazem reflexão. Meu pai sempre soube respeitar nossos espaços, soube nos encorajar a tomar decisões, sempre foi um exemplo, isso facilita. Às vezes, discordamos e colocamos o assunto na mesa, debatemos, decidimos, e defendemos a mesma ideia acordada,” relata Elizangela.

Elizangela, Derseu e Débora de Paula Lopes (mãe, pai e neta)

Portanto, para o CFC, o Dia dos Pais é uma data de inspiração e de boas lembranças. É um dia em que todos comemoram a existência de homens que influenciam a família com suas decisões, e que, com isso, marcam a vida das pessoas que vivem ao seu redor. Na Contabilidade, essa inspiração em pais que dedicaram seu tempo em estudo e trabalho para obter formação e qualificação adequadas, aliadas à confiança que os filhos depositam neles, trazem para a área, o compartilhamento de ensinamentos e experiências que engrandecem a profissão e fortalecem os laços familiares. Por essa razão, o CFC parabeniza a todos os pais contadores que são fontes inesgotáveis de entusiasmo e esperança para seus filhos.

 

(fotos: acervo pessoal)