Profissionais trazem debates sobre Relato Integrado e a EPC na América Latina, no XIV Prolatino

Por Comunicação Social CFC

“Todos que se relacionam com uma empresa têm o direito de saber sobre a sua saúde financeira, desde o dono ao empregado, passando pelo cliente”, deu início ao último painel do XIV Prolatino, sobre Relato Integrado, Vânia Borghetti, coordenadora da Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado, membro do International Integrated Reporting Council (IIRC).

Relato Integrado é uma forma de as companhias apresentarem seus relatórios, acrescentando informações que vão além das contábeis e financeiras, com objetivo de dar mais transparência para as organizações e, assim gerar mais valor a elas. “Não é só um meio interno que ganha com um relatório, mas a empresa também. Para se mostrar para fora, é preciso olhar para dentro e, assim, conseguimos identificar pontos que precisam ser tratados para a sua melhora”, explicou Borgerth.

A Estrutura Internacional do Relato Integrado utiliza uma abordagem baseada em princípios e abrange oito elementos de conteúdo como governança, modelo de negócio, riscos e oportunidades, estratégia e alocação de recursos, perspectiva, entre outros.

A adesão das empresas é feita de forma voluntária. Mais de 1.700 companhias já utilizam o RI em todo o mundo. No Brasil, são mais de 120 organizações. Claudio Siciliotti, representando o presidente do Comité de Integración Latino Europa-América (Cilea), também participou do evento. A moderadora foi a professora Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Araceli Cristina de Sousa Ferreira.  

Educação continuada na América Latina

Representantes do Brasil, Argentina, Uruguai, Venezuela, Peru, Chile e México estiveram reunidos nesta quinta-feira (11), durante o XIV Prolatino, para debater um assunto de suma importância para o Sistema CFC/CRCs. Com o tema “Competência Técnica Profissional e Educação Continuada”, os painelistas trataram do status dos projetos de educação continuada nos países participantes do Grupo Latinoamericano de Emisores de Normas de Información Financiera (Glenif).

“Percebi que o programa de educação profissional continuada do CFC está bem consolidado”, afirmou a vice-presidente de Desenvolvimento Profissional do CFC, Lucélia Lecheta, “Todos os países estão fazendo um esforço muito grande para manter os profissionais da contabilidade atualizados”, completou.

O painel ainda proporcionou aos participantes compartilhar boas práticas e discutir os principais desafios de cada região.