CFC é modelo de transparência nas informações públicas

Órgão possui canais de relacionamento que interagem com a sociedade, empresas e profissionais

Joana Wightman
RP1 Comunicação

O dia do Profissional de Contabilidade, comemorado em 25 de abril, traz à tona questões que afetam à vida pública e de milhares de cidadãos. Para atender com eficiência as demandas da sociedade, profissionais e empresas, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) possui canais de relacionamento como o Portal da Transparência, o Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-SIC) e a Ouvidoria.

O Portal da Transparência e Acesso à informação, que faz parte do site do CFC, já recebeu elogios do Tribunal de Contas da União (TCU) dado o seu caráter informativo e a clareza nos conteúdos expostos. “Temos o compromisso de primar pela qualidade na prestação de serviços à sociedade por meio de ações transparentes que evidenciem a nossa postura ética e clara na disseminação de informações”, evidencia o vice-presidente Administrativo do CFC, Sergio Faraco.

No Portal é possível encontrar demonstrações contábeis e prestação de contas, balanço socioambiental do CFC, atos normativos, execução orçamentária, dados estatísticos e ainda informações sobre contratos, convênios, programas e projetos do órgão.

Já o e-SIC, é uma ferramenta online que centraliza os pedidos e disponibiliza informações públicas para atender a demandas específicas de pessoas físicas ou jurídicas. O sistema funciona como uma porta de entrada para organização e permite o controle dos pedidos de informação tanto pelo cidadão quanto pela entidade.

A Ouvidoria do CFC, criada em 2014, recebe sugestões, elogios, solicitações, reclamações e denúncias referentes aos serviços prestados pelo Sistema CFC/CRCs. Desde 2016, recebeu mais de três mil manifestações, que são respondidas em um prazo máximo de sete dias.

Economia para o meio ambiente

Outra preocupação do CFC é manter uma gestão com foco na responsabilidade socioambiental. Para isso, utiliza o Selo do Conselho Brasileiro de Manejo Florestal (FSC) em todos os seus materiais gráficos, como livros, jornais, folders e revistas, a fim de garantir que o papel utilizado seja oriundo de florestas certificadas e de empresas que cumpram práticas e legislações ambientais, além de respeito ao direito dos trabalhadores, povos indígenas e populações locais.

O CFC também está engajado em políticas voltadas à redução do consumo de energia e água, já que sua sede fica em Brasília, cidade que está passando por racionamento hídrico desde o início do ano. Para evitar o desperdício e reduzir o consumo, o CFC adotou práticas como evitar o uso de água para limpeza da área externa, garagem e fachada do prédio. Essas medidas geraram uma redução de cerca de 40 mil litros de água por mês, apenas nos dois primeiros meses do ano. O Conselho estuda também substituir o espelho d’água na entrada do edifício por um jardim.

Outras ações instituídas pelo CFC são a coleta seletiva de resíduos, que separa materiais como plástico, vidro, papel e metal, e a criação do “Dia D: Dia do Descarte”, no qual promove ações e atividades visando o treinamento de funcionários para o consumo sustentável e descarte consciente de seus materiais. No ano passado, a entidade elaborou o Manual de Descarte e Reciclagem com orientações para os funcionários sobre a utilização de materiais, equipamentos e informações para o uso racional, evitando ociosidade e desperdícios.

“Esse conjunto de ações visa criar um modelo sustentável para a gestão do órgão seguindo as boas práticas e contribuindo para a otimização dos nossos recursos naturais”, assinala o vice-presidente Administrativo do CFC.