Abertura do XII ENMC ressalta a importância das mulheres no desenvolvimento do País

 

Por Rafaella Feliciano
Comunicação CFC - Cobertura especial do  XII ENMC

Um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostra que a diminuição das diferenças de gênero no mercado de trabalho poderia aumentar o Produto Interno Bruto (PIB) em 3,3%.  Erradicar todas as formas de discriminação contra mulheres não é apenas um direito humano básico, mas, também, é crucial para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países.

E, para mostrar que o empoderamento feminino também é uma luta do Sistema CFC/CRCs, mais de 1.500 pessoas participaram, na noite desta quarta-feira (11), da abertura oficial do XII Encontro Nacional da Mulher Contabilista, que acontece em Porto de Galinhas (PE), até sexta-feira (13).

A alegria do povo pernambucano encantou os presentes que foram recepcionados com muita música e atrações culturais. A canção “Mulher Brasileira”, interpretada pela cantora Lucy Alves, trouxe ao palco as representantes da Comissão da Mulher Contabilista lembrando a força e resiliência femininas na conquista por espaços de representatividade no País.

O presidente do Conselho Regional de Pernambuco, José Gonçalves Campos Filho, disse que, trazer um evento nacional para Pernambuco, com destaque para a atuação das mulheres na profissão contábil, quebra paradigmas tornando-se um marco para o Nordeste. “Sinto-me extremamente honrado com essa conquista. Estaremos, juntos, escrevendo mais uma história de sucesso no legado de nossas contabilistas”, ressaltou.

Roberta de Melo Aguiar Correia, diretora técnica do Sebrae Pernambuco, também prestigiou o evento e ratificou a parceria entre as entidades para o desenvolvimento sustentável do País. “Nesse mundo disruptivo que estamos vivendo, reafirmamos o nosso compromisso com a classe contábil que, agora, tem um papel mais amplo e expressivo na rotina dos empreendedores brasileiros”.

“Somos mais de 222 mil mulheres contabilistas. Você, que está aqui, sinta-se uma profissional privilegiada. Você, que busca quebrar paradigmas, deve seguir e mostrar que tem coragem. Encontro como estes, nos faz refletir sobre a nossa força e persistência” lembrou Nilva Amália Pasetto, presidente da Comissão Nacional da Mulher Contabilista.

Segundo ela, o objetivo do encontro é promover a participação da mulher no desenvolvimento da profissão contábil, incentivar o seu lado empreendedor e estimular a sua efetiva contribuição à vida social e política do País. “Buscamos reverenciar o exemplo feminino de força, criatividade e excelência profissional, demonstrado com seu talento e coragem, na condição de transformadora social”, ressaltou.

Emocionada, a presidente da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), Maria Clara Bugarim, lembrou de sua história na luta classista e afirmou sentir “sensação de justiça e grande satisfação” com o crescimento das mulheres no âmbito profissional.

“Somos guerreiras e buscamos os nossos espaços, pois sabemos o que queremos. Mulheres brasileiras, que possuem comprometimento e jamais se abateram pelo impossível. Somos visionários e transformamos os nossos sonhos em esperança e confiança no futuro. E não vamos parar por aqui. Estamos apenas começando”, enfatizou.

Em 2006, Maria Clara Cavalcante Bugarim foi eleita a primeira presidente do Conselho Federal de Contabilidade. Alagoana, é conhecida por sua determinação e por quebrar paradigmas. Desde muito cedo, vem ocupando posições de destaque nas áreas governamental, acadêmica e das entidades de classe, assumindo, com brilhantismo, cargos até então nunca ocupados por mulheres. Com uma vida profissional marcada pela arrojada atuação nas entidades de classe, presidiu por duas gestões o Conselho Regional de Contabilidade de Alagoas (1998 a 2001), a Fundação Brasileira de Contabilidade (2002 a 2005) e o Conselho Federal de Contabilidade (2006 a 2009). Este ano, Maria Clara também assumirá a presidência da Associação Interamericana de Contabilidade (AIC).

O presidente da Federação Internacional de Contadores (IFAC, sigla em inglês), In-Ki Joo, também participou da abertura do evento e disse que a temática da equidade de gênero é uma das principais agendas da entidade. “Garantir a equidade de gênero é crucial para o desenvolvimento da profissão. A Ifac se compromete com esta causa e se orgulha por ter sido comandada por mulheres em gestões anteriores”, enfatizou.

Ele parabenizou a classe contábil brasileira pela expressiva participação das mulheres em posições de poder, no entanto, disse que os desafios, de forma geral, ainda são grandes. “Sabemos que fortalecer a profissão proporciona menores índices de fraude e corrupção, por isso, em um cenário com uma boa estrutura de governança, os contadores têm um papel fundamental”.

“Quase 30 anos depois do início do movimento das mulheres contabilistas, vocês venceram desafios, quebraram barreiras e, hoje, representam 43% da classe contábil. Agora, as metas são outras e precisamos da expressividade feminina no empreendedorismo”, completou o presidente do Conselho Federal de Contabilidade, Zulmir Breda. Segundo ele, em um cenário de 68.893 mil organizações contábeis, apenas 21,4% possuem a participação de mulheres e, destes, somente 5,4% são integradas exclusivamente por mulheres.

“Lugar de mulher é onde ela quiser estar. E, em nossa classe , vamos trabalhar para que elas sempre estejam em posições de destaque”, afirmou  Zulmir Breda ao destacar a história das contabilistas no Brasil.

Também participaram da abertura do evento Francisco Sant’Anna, presidente do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon); Eduardo Pocetti, presidente do Grupo Latinoamericano de Emisores de Normas de Información Financiera (Glenif); Juliane Oliveira, secretária da Secretaria da Mulher de Pernambuco; Manuel Teixeira, membro do Conselho Diretivo da Ordem dos Contabilistas Certificados de Portugal; Adeildo Osório de Oliveira, presidente da Fundação Brasileira de Contabilidade; José Martonio Alves Coelho, detentor da Medalha João Lyra; Francisco de Assis Galvão Barreto Pinho, presidente da Academia Pernambucana de Ciências Contábeis (Apecicon); Daniel Coelho, vice-presidente Institucional da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas – Fenacon; presidentes, vice-presidentes e conselheiros do Sistema CFC/CRCs.

A reprodução deste material é permitida desde que a fonte seja citada.